Governo “congela” programa de combate ao abandono do ensino superior

4 Abril 2016

O prazo de candidaturas ao programa Retomar, que visa combater o abandono escolar e a conclusão de cursos superiores, foi adiado para prazo indefinido, tendo em conta a "pouca adesão registada", segundo um despacho.
De acordo com um despacho normativo assinado pela secretária de Estado da
Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, "apesar do elevado número potencial de beneficiários estimado pelo ministro da Educação e Ciência à data do lançamento do programa [em 2014], que referiu a possibilidade de atribuição de
bolsas a até 3000 estudantes por ano, o impacto da iniciativa foi reduzido".
No ano lectivo 2014-2015 foram apresentadas 482 candidaturas e atribuídas
bolsas a 195 estudantes. No presente ano lectivo foram apresentadas 333
candidaturas, sendo atribuída bolsa a apenas 133 estudantes, conforme consta
no despacho. "Face à pouca adesão registada, é manifesto que o programa não atingiu os objectivos inicialmente fixados, sendo imperioso garantir uma resposta mais bem-sucedida ao desafio do combate ao abandono escolar, em articulação com outras iniciativas estratégicas de qualificação de activos", lê-se no documento.O despacho adia o período de candidaturas, cuja abertura estava prevista para sexta-feira, tendo em conta que está em curso "uma avaliação do programa a par do lançamento de medidas direccionadas para o desenvolvimento e o aprofundamento de competências digitais nos jovens em todas as regiões".
O adiamento "não afectará os direitos dos estudantes a quem foram atribuídas bolsas ou que aguardam decisão sobre os seus pedidos", garante a secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.
Por Beatriz Alves