Portugal é 7º da UE com menos licenciados entre 30 e 34 anos e o 5º com mais abandono na faixa 18-24

11 Maio 2016

De acordo com o relatório divulgado no passado dia 27 de Abril de 2016, o número de cidadãos da UE que completam um nível de escolarização terciário (grau pós-secundário) tem aumentado constantemente, desde os 23,6% em 2002, até aos 38,7% em 2015, com variação significativa do padrão entre a população feminina (24,5% em 2002, para os 43,4% em 2015), que já ultrapassa o objetivo europeu para 2020 (taxa de 40%), enquanto entre os homens, esse nível de ensino (superior universitário ou técnico-profissional) passou de 22,6% para os 34,0% no período considerado. A estratégia europeia para 2020 aponta para que, pelo menos, 40% da população com idade entre os 30 e 34  anos tenha completado um nível de educação pós-secundário (técnico-profissional, ou universitário) nesse ano. Portugal era o sétimo entre os menos escolarizados (na faixa etária e no nível de ensino de referência), apresentando uma taxa em torno de 33%, ou  seja sete pontos percentuais aquém da meta definida para 2020, indicam os dados do gabinete europeu de estatística. Quanto ao abandono escolar e da formação  (na faixa dos 18-24 anos), os números têm descido na UE, desde os 17% em 2002, para uma taxa de 11% em 2015. Neste indicador, a meta da União Europeia pretende que o abandono afete menos de 10% dos adultos jovens em 2020. Por países, em 2015, a menor taxa de abandono pertencia à Croácia (2,8%), enquanto amais elevada foi exibida pela Espanha (20%). Enquanto 13 estados-membros da UE já cumpriram o objetivo da UE para este indicador, Portugal era o quinto país da UE, com mais cidadãos que desistiram da formação no secundário, sem prosseguir qualquer outra valorização no sistema de ensino. No caso português, a taxa de abandono entre os jovens dos 18 aos 24 anos rondou os 13% em 2015.
Por Beatriz Alves